O Mundo Gira, A Lusitana Roda…

2012/06/06

BEIJO ME LIGA

Filed under: Mentes brilhantes — trezende @ 09:32

Além de ser algo totalmente ultrapassado, os orelhões rareiam em São Paulo. Mas nada como uma boa campanha de marketing mascarada por um propósito artístico para dar ao objeto um caráter indispensável.
Até 24 de junho a cidade abriga a “Call Parade”, uma exposição que reúne 100 orelhões “interferidos” por artistas paulistas que estão distribuídos em oito circuitos por toda a cidade. Noventa artistas foram selecionados por um comitê organizador e dez foram convidados.
A ideia surgiu a partir da “Cow Parade”, exposição semelhante que anualmente desde 2005 espalha vacas criadas por diversos artistas em pontos específicos de São Paulo.
Mas ao contrário da “Cow”, a “Call” é menos elitista. Há orelhões em bairros populares como Paraisópolis e Parque São Jorge.
O objetivo da patrocinadora, a “Vivo”, é comunicar a mudança da identidade visual dos aparelhos, que nos próximos meses serão trocados por versões nas cores laranja, roxo, azul e verde. A ação pretende estimular também a boa conservação de orelhões que ainda são alvos de depredação.
Com toda a certeza a “Vivo” conseguiu chamar a atenção. Os orelhões são lindos. Alguns foram “interferidos” apenas na parte externa, mas alguns receberam pintura também na parte de dentro.
Há uns orelhões bem óbvios, como um capacete (de Diego Peres), uma melancia (de Silton Paternezi), uma joaninha (de Danyael Lopes) e outro que estampa uma orelha e seus respectivos pontos de acupuntura (de Cristina de Albuquerque Azevedo).
Mas a maioria foi muito criativa. Um deles tem um visual interessante: um globo espelhado das casas noturnas (de Emili Akemi). Outro, de Eloi de Souza, chamado “Boca de Sapo”, tem até olhinhos. Por dentro é vermelho.
O “Wirelhão” (de Fabio Malx) imita aqueles abajures de fibra bem bregas que quando ligados giram e suas fibras mudam de cor. Brega e curioso.
O “Jacall: Enfiando a cabeça na Jaca” (de Kiko Cesar, Luiz Roberto de Almeida e Felipe Madureira ) é interessante por subverter a ideia do enfiar o pé na jaca. Por fora, claro, é uma jaca. Por dentro, é pintado como a fruta.
Outro curiosíssimo é o trabalho de Ricardo e Julia Paoliello (pai e filha), autores de “Ora Pois!”. O orelhão da dupla tem as cores portuguesas e um lápis enfiado na lateral.
Merece destaque também esse aí em cima, de Carla Pires de Carvalho Fernandes. Ele se chama “O que você tem na cabeça?” e está instalado em frente ao prédio da Fiesp, na avenida Paulista.
A “Vivo” ainda não decidiu o que fará com os orelhões após o término da exposição. Tomara que eles fiquem no mesmo lugar.

Confiram os orelhões AQUI

Anúncios

1 Comentário »

  1. Nada melhor do que a arte para colorir uma cidade. Adorei!!
    Beijos.

    Comentário por Vaninha — 2012/06/06 @ 10:25


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: