O Mundo Gira, A Lusitana Roda…

2012/02/08

COM “A” MAIÚSCULO

Filed under: Cri-crítica — trezende @ 10:07

Se alguém disser que “O Artista” é um filme como nunca antes se viu na história deste país – e dos outros – estará mentindo. Ele vai de encontro a tudo o que se tem feito no cinema atual. Nada de 3D, grandes explosões ou cachês milionários para os astros. Trata-se de um filme mudo e em preto e branco. E aí está o pulo do gato: usar o velho de forma totalmente original.
O diretor Michel Hazanavicius contou recentemente numa entrevista que depois que recebeu o sinal verde para fazer o filme, o roteiro lhe veio em um mês.
Esse é o melhor indício de que a inspiração viraria obra-prima. O trabalho recebeu só dez indicações ao Oscar: melhor filme, direção, ator (Jean Dujardin), atriz coadjuvante (Bérénice Bejo), roteiro original, edição, direção de arte, fotografia, figurino e trilha sonora.
“O Artista” está aí para provar que se existe um boa história ela não precisa nem ser falada.
O filme é de uma sensibilidade absurda e narra o drama vivido por um famoso ator de cinema mudo após a introdução do cinema falado.
Mesmo sem contar com nomes de peso (exceto John Goodman, o eterno Fred Flinstone), o elenco foi escolhido com destreza. Bérénice Bejo, mulher do diretor, é uma atriz expressiva e carismática. Na mosca também foi a escalação de Jean Dujardin para o papel do protagonista, perfeito para interpretar George Valentin, um galã do início dos anos 30.
Misto de drama, comédia e suspense, o filme tem cenas célebres e lindas. Reparem na que se passa nas escadarias do estúdio Kinograph; no uísque sendo derramado sobre a mesa; na sensibilidade da sequência de Bérénice “vestida” ao paletó do amado; e principalmente no espetáculo de sapateado protagonizado pela dupla.
Quem assiste à leveza de Jean Dujardin e Bérénice Bejo não imagina que eles ensaiaram por cinco meses, diariamente.
Certos detalhes são a azeitoninha da empada, como a solução encontrada para mostrar o tédio e o ódio da esposa de George Valentin. Sempre que vê uma foto do marido, faz bigodinhos, chifrinhos e pinta os dentes dele a caneta.
Talvez o maior inimigo da esposa de George Valentin seja Uggie, um cão da raça “jack russell”.
Uggie mereceria concorrer ao Oscar de melhor ator coadjuvante. Ele é uma paixão, um fofo e mais competente que vários atores humanos. Além disso, Uggie tem uma participação decisiva na história.
A má notícia é que, segundo seus treinadores, Uggie está saindo de cena. A aposentadoria forçada acontece porque Uggie sofre de um raro distúrbio neurológico que já custou milhares de dólares em remédios e consultas a veterinários. Sua última aparição será na cerimônia do Oscar, dia 26 de fevereiro.
“O  Artista” é um filme de artistas mesmo. Imperdível.

A previsão de estreia é na próxima sexta-feira

Anúncios

1 Comentário »

  1. Ansiosa para ver…

    Comentário por picida ribeiro — 2012/02/09 @ 14:09


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: