O Mundo Gira, A Lusitana Roda…

2010/12/15

PARA TODAS AS OUTRAS EXISTE MASTERCARD

Filed under: Cri-crítica — trezende @ 09:28

Eles têm o carro do ano, jogam golfe, são lindos, magros, felizes e bem-sucedidos. Parecem uma família normal. Mas não são.
Pronto. Isso é tudo o que pode ser dito sobre o enredo sem que esta cri-crítica revele o pulo do gato de “The Joneses” – traduzido por aqui como “Amor por Contrato”.
Quando Francis Ford Coppola esteve no Brasil foi curto e grosso: não faz e não gosta de assistir a remakes.
Um precipitado não consideraria os argumentos do cineasta e diria que a opinião dele é mais uma de suas “ranzinzices”.
Já aquele que tem paciência para ouvir o resto da explicação, não só passa a concordar com Coppola como começa a entender porque ele é considerado um dos gênios do cinema.
Coppola diz preferir os filmes que o surpreendam e que tragam a sensação da descoberta.
De fato, a opção pela refilmagem de um clássico é mais uma questão de falta de imaginação. Afinal, é o caminho mais curto até o sucesso de bilheteria – sem falar que o álibi de homenagear um diretor sempre cola.
Muitas vezes, diante da variedade que Hollywood nos apresenta todos os anos, chegamos a pensar que todas as ideias já foram tidas, que todas as histórias já foram contadas, que os atores são sempre os mesmos e que os diretores estão filmando a mesma história com leves variações entre uma e outra.
Quantas vezes também, enquanto aguardamos com expectativa o início de uma sessão, nos perguntamos: o que será que inventaram dessa vez?
Entre muitos “mais do mesmo”, de repente surge uma surpresa boa, como é o caso deste “Amor por Contrato”, que tem no elenco David Duchovny (o eterno Fox Mulder de “Arquivo X”), Demi Moore e os desconhecidos Amber Heard e Ben Hollingsworth.
Apesar de não ser uma obra-prima “oscarizável” ou de um novo azarão como “Pequena Miss Sunshine”, o trabalho de estreia de Derrick Borte parte de uma premissa bem original. Lá pelas tantas dá umas osciladas, mas ainda assim tem “mojo”.
O cartaz e o trailer nos vendem a ideia de comédia romântica, mas trata-se de um drama que discute o conceito de felicidade, a questão da grama do vizinho ser sempre mais verde, as aparências, o ser e o ter.
A inveja é uma m…

P.S.: a estreia está prevista para 24 de dezembro

Anúncios

4 Comentários »

  1. Também não gosto de remakes. Já pensou um remake de Paixão dos Fortes ( My Darling Clementine)? Jamais daria aquele impacto que o Henry Ford deu no velho filme em preto e branco. Outro exemplo é King Kong, em p&b, que ainda hoje mae causa admiração. Não gosteis das duas outras versões.
    Já pensou em um remake de O Garoto, de Charles Chaplin? Não dá mesmo. Fico com o Coppola.

    Comentário por Wilde Portella — 2010/12/15 @ 16:15

  2. Realmente, remake ninguém merece! Mas pelo que eu vi no trailer esse filme parece que é muito legal, super diferente… e pra quem quiser, fica a dica de que tá rolando uma promoção pra ganhar ingressos… tá aqui o link .. http://migre.me/2XEEG
    bjs

    Comentário por Carolina — 2010/12/15 @ 16:40

  3. Remake é o que mais se tem visto. Cinema, TV, música…Só faltam criar repaginações literárias… Gostei da dica! Abraços. Paz e bem.

    Comentário por josé cláudio - Cacá — 2010/12/15 @ 19:54

  4. Muito bom esse filme, baixei faz uns 5 meses. Só não concordo com o nome abrasileirado que colocaram no filme. Nome é nome, deixa o original que é melhor.

    Comentário por André — 2010/12/16 @ 10:30


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: