O Mundo Gira, A Lusitana Roda…

2010/09/06

A CUCA DOS MESTRES

Filed under: Folheando — trezende @ 09:41

Julgar um livro pela capa não é politicamente correto. Mas que uma apresentação em grande estilo impressiona o leitor, ah, isso impressiona.
Comi com os olhos a imagem da capa do recém-lançado “What Caesar Did for My Salad” (“O Que Cesar Fez Pela Minha Salada”), de Albert Jack, cujo subtítulo é “Not to Mention the Earl’s Sandwich, Pavlova’s Meringue and Other Curious Stories Behind Our Favourite Food” (“Sem falar no sanduíche de Earl, no merengue de Pavlova e em outras histórias curiosas por trás de nossas comidas favoritas”).
A obra traz uma série de curiosidades sobre a origem das delícias que fazem o estômago de pessoas pelo mundo.
O prato que dá nome ao livro – a “Caesar Salad” –, por exemplo, não tem qualquer relação com o Império Romano. A salada foi assim batizada por causa do chef Caesar Cardini, que tinha um restaurante em Tijuana (México) frequentado por americanos. Um dia, carente de ingredientes para dar conta da clientela, misturou o que tinha disponível na geladeira: alface, pedacinhos de pão, queijo parmesão, ovos, suco de limão e molho Worcestershire.
Ainda sobre o alface, o autor nos conta que ele era considerado um potente afrodisíaco pelos egípcios.
Já os rolinhos-primavera (mistura de carne, frutos do mar e vegetais enrolados por uma massa fina) surgiu como tradição servida no primeiro dia do Ano Novo Chinês – também o primeiro dia da primavera no calendário lunar.
Há vários pratos cercados de polêmica ou cujo aparecimento é tão absurdo que se tornam passíveis de questionamento. Nesses casos, o autor sempre acrescenta um “reza a lenda que…”. A forma umbilical do tortellini é uma delas. Dizem que é inspirada numa rápida olhada do dono de uma pousada sobre o umbigo de Lucrécia Borgia, a mulher mais famosa da época do Renascimento na Itália.
Entre outros achados, a origem do “Steak Tartare” (filé mignon cru misturado a temperos), que é atribuída aos cavaleiros mongóis. Eles deixavam a carne sob a sela durante todo o dia para que ela ficasse mais macia.
Já o “Cornish Pasty” – uma espécie de empanada recheada com carne, batata, cebola e nabo – foi inventado para proteger os mineiros da região de Cornwall, na Inglaterra, do envenenamento por arsênico.
Os movimentos sociais ou as mudanças políticas – por piores ou melhores que tenham sido em certos momentos da História – foram importantes para a culinária. Os “Prawn Cocktails” (coquetéis de camarão) se tornaram populares nos Estados Unidos durante o período da Lei Seca – o único drinque legalmente aceito.
Se a chegada de Catarina de Medici a Paris significou uma ameaça aos huguenotes (protestantes franceses), por outro lado serviu para encorajar o consumo da verdura favorita dela, o espinafre.
O almoço de segunda-feira promete.
Bom apetite!

Anúncios

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.