O Mundo Gira, A Lusitana Roda…

2010/08/07

OS BICHOS-PAPÕES E O OGRO

Filed under: Cri-crítica — trezende @ 11:39

Pelé pendurou as chuteiras no auge da carreira. Shrek deveria ter feito o mesmo, mas como vocês já devem ter notado, ele é um ogro.
Seus criadores – que como vocês também já notaram estão longe de terem qualquer semelhança com personagens de contos-de-fada – são teimosos o suficiente para emplacarem a sequência derradeira do monstro verde que atualiza a fábula do sapo que vira príncipe.
Depois de salvar Fiona e viverem felizes para sempre na terceira parte da história, Shrek se dá conta de que sua vida caiu na rotina. Sua existência se resume a resolver problemas domésticos e a trocar as fraldas dos três filhos – dentre outras dores que fazem parte da “delícia” do casamento.
Shrek vive num “Feitiço do Tempo” genuíno e tudo o que mais quer é ter o passado de ogro assustador de volta. Nem que precise vender a alma ao diabo – que aqui atende pelo nome de Rumpelstiltskin.
É por aí que vai a história do último filme da franquia “Shrek”: “Shrek Para Sempre”.
Seria inoportuno cobrar alguma inventividade num enredo que já havia perdido o fôlego em seu capítulo anterior, portanto, mais útil é relevar os rumos da roteiro e pôr tento nas personagens periféricas – essas sim feitas para os adultos.
O Burro continua sendo o melhor jogador desse time. O “plus” é que agora ele é um homem casado e pai de três pequenos seres mutantes que são uma mistura de burro com dragão.
Pinóquio segue em sua luta para se tornar um menino de verdade. Assim como Shrek, também apela para Rumpelstiltskin. No momento de assinar o contrato do mal diz frases do tipo “Adeus cupins, olá espinhas”.
O vilão Rumpelstiltskin lembra a Rainha Má de “Alice”. Ele troca de cabelo conforme o humor do dia. Nos momentos de fúria, por exemplo, usa uma peruca como a dos bonecos Troll – aqueles pequeninos, com cabelos longos, vermelhos e espetados.
Já o perfil “latin lover” do Gato de Botas é algo tão tão distante… A lepidez e a voz rouca e sensual – Antonio Banderas na versão original – cedem lugar a uma próspera barriga.
Neste capítulo final, o guerreiro se transforma no gatinho de estimação de Fiona. No entanto, ao menor sinal de perigo, ele não hesita em sacar aquele inesquecível olhar de gatinho meigo.
Aliás, essa é a imagem que melhor define “Shrek para Sempre”. Apesar dos deslizes, não conseguimos resistir ao olhar meigo do ogro.

Anúncios

Blog no WordPress.com.