O Mundo Gira, A Lusitana Roda…

2009/07/05

VALE POR UM BIFINHO

Filed under: Absurdos nossos de cada dia — trezende @ 08:46

placenta

bifeA revista “Time” trouxe na edição desta sexta-feira algo realmente impressionante. O depoimento de um pai às voltas com a ideia hippie da esposa de comer a placenta do filho recém-nascido.
O relato da experiência de Joel Stein começa com a explicação da mulher, Cassandra. Segundo ela, a maioria dos mamíferos come a placenta depois do parto – o que Joel, bem-humorado, rebate com a informação de que alguns cães também provam seus cocôs.
Já com a cabeça feita, Cassandra avisa que por U$275 uma mulher virá à casa deles e cozinhará a placenta. Depois de um processo de desidratação o órgão estará em forma de cápsulas prontas para serem consumidas.
Acredita-se que a placenta é capaz de prevenir depressão pós-parto e aumentar a produção de leite.
Na sala de parto, Joel descreve a sensação de estar frente a frente com a placenta. “É a aparência que seu fígado teria se se acidentasse numa estrada com um daqueles aliens do filme ‘Marte Ataca!’”.
Logo após o nascimento – resultado de 21 horas de parto – Cassandra ficou atenta para se certificar de que as enfermeiras entregariam a placenta correta a Joel, que a embalou em vários sacos plásticos e levou para casa numa bolsa térmica.
Quando ele perguntou se o órgão resistiria bem a uma noite na geladeira não conseguiu se safar dos olhares estranhos das enfermeiras.
No dia seguinte, com Cassandra ainda no hospital, Joel recebeu a “moça da placenta”, Sara Pereira, que para a surpresa dele não era desleixada, desmazelada, carregada e de nenhuma forma lembrava uma bruxa.
Aliviado, Joel trata de passar as referências de Sara. Diz que ela entrou no ramo da placenta depois de fazer um curso de medicina chinesa. Só neste ano já havia preparado mais de duas dúzias de placenta e estava com a agenda cheia.
Continua Joel: “Quando perguntei à Sara se os pais dela não ficavam com vergonha daquele trabalho, ela me respondeu que seu pai vendia sêmen de búfalos”.
Pelas regras, Sara teria de preparar o órgão na casa da parturiente. Para novo alívio de Joel, Sara havia trazido todo o equipamento necessário, como luvas, esponjas e muito mais detergente do que ele podia imaginar. Sara ia limpando e lavando tudo durante seu trabalho. “Se algum dia eu matar um homem em minha própria casa, com certeza eu vou ligar para a ‘placenta lady’”, escreve Joel.
Ele conta que enquanto Sara fervia a placenta com algumas ervas, a cozinha era tomada por um cheiro de órgão cozido. O próximo passo seria levá-lo para uma espécie de forno para desidratá-lo.
Durante o preparo, Sara afirmou que Cassandra tinha uma placenta bem robusta, o que renderia umas 120 cápsulas. Disse ainda que algumas pessoas bebiam a placenta crua, como um “smoothie” (batida, frappé).
No fim, um kit bem bonitinho: um vidro com as pílulas, um cartão, um CD com canções ninar e um saquinho de cetim com parte do cordão umbilical. Joel pergunta o que ele poderia fazer com o saquinho depois do uso. Sara revela que muitos usam para guardar o primeiro dente ou o primeiro cachinho de cabelo do bebê.
E a conclusão de Joel: “foi então que percebi que essa história de comer placenta é apenas parte do quão nojentos os seres humanos são”.

Assistam ao preparo da placenta AQUI

Anúncios

5 Comentários »

  1. O que é uma “placentinha” em cápsula em comparação com buchada ou dobradinha?

    Comentário por Ricardo Rezende — 2009/07/05 @ 09:31

  2. Bem, esse lance de que os mamíferos comem a placenta, eu já sabia. Já tive uma gatinha de estimação, que não era estéril… e acredito que o ser humanos, antes de sair das cavernas, deveria comer mesmo a placenta. na verdade, como ela foi transformada em cápsulas, seu aspecto não deveria mais estar tão nojento assim, a menos que alguém achasse pílulas algo asqueroso. Bem, pelo menos a nova forma dela não iria desencorajar seu (sua) futuro (a) consumidor (a). Bem, nem sempre a natureza deixa à disposição dos animais alimento suficiente, e isso leva a alguns hábitos que, atualmente, acreditamos ser nojentos.
    Existe historiadores que afirmam que a ecolução da sociedade está ligada ao aspceto que damos à comida. Atualmente só sabemos qual carne estamos comendo pelo seu sabor, ou melhor ainda, pelo que está escrito em sua embalagem.
    Esse texto me fez lembrar de um filme chamado “escravas da vaidade”, ou coisa que o valha…

    Comentário por Diana — 2009/07/05 @ 11:00

  3. Minha sugestiva Tati, estou com o amigo Ricardo, logo, logo, vão querer fazer uma boa buchada ou acrescentar numa suculenta feijoada uma boa porção de placenta. tô fora!

    Forte abraço

    Caurosa

    Comentário por caurosa — 2009/07/05 @ 15:25

  4. Será que ” JOEL ” saboreia esta guloseima feita pela querida esposa?

    Comentário por Juventino — 2009/07/05 @ 19:07

  5. O ser humano tá cada vez mais esquisito…

    Tati, suas ilustraçoes sao ÓTIMAS!

    Comentário por Sandra — 2009/07/06 @ 17:32


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: