O Mundo Gira, A Lusitana Roda…

2011/08/11

SABORES OCULTOS

Arquivado em: Absurdos nossos de cada dia — trezende @ 07:36

Para quem já não aguenta mais o olhar de soberano do sommelier de vinhos cada vez que leva uma taça à boca, controlem-se, porque o negócio está migrando para bebidas nunca dantes degustadas.
A reportagem do jornal “Der Spiegel” acompanhou uma degustação de água.
“A água da chuva está sendo servida. Ela viajou 16 mil quilômetros da Tasmânia para ser provada por uma dúzia de convidados no subúrbio de Hamburgo. Na frente deles, um homem vestindo terno e óculos”, começa a matéria.
Jerk Martin Riese, de 34 anos, é maitre do estrelado restaurante “First Floor”, em Berlim, onde criou um menu com 40 seleções de água.
“Riese é sommelier de água e em breve vai se mudar para Los Angeles. Antes disso, vai deixar um pouco de seu conhecimento no bar Redroom, em Hamburgo”.
Segundo a matéria, o grupo da degustação é variado e inclui advogados, representantes comerciais, gente da imprensa e “restauranteurs”. Enquanto aguardam o início da sessão, fazem um “esquenta” experimentando uma variedade de água da fonte cujo rótulo diz que ela é “carregada bioenergeticamente”.
A degustação começa. A primeira a ser provada é uma água da fonte da Noruega, cujo sabor é leve. Depois passa-se à água da chuva da Tasmânia, que também é suave.
“Amanteigada”, diz um dos convidados. “Quase oleosa”, acrescenta o sommelier.
No passado a água tinha apenas duas variedades: com ou sem gás. Agora há água de Fiji, da Patagônia ou da África do Sul. Há até água do Tennessee, vendida em garrafas encravadas com cristais Swarovski. Ela custa cerca de 92 dólares no restaurante “First Floor”. Riese conta que ela é adorada pelo pessoal do leste europeu.
Segundo Riese, a água da Tasmânia cai do céu e nunca toca o chão. “A Tasmânia é um dos lugares mais remotos do mundo, o que faz que sua água da chuva seja a mais pura e limpa da Terra”.
Depois ele apresenta uma água do norte da Alemanha (com um “sabor efervescente”) e uma água espanhola (“efervescente, mas com um toque salgado”).
Quando toma a água, Riese gira seu copo como as pessoas fazem com o vinho.
Ele também dá dicas sobre que variedade vai bem com um vinho branco Riesling: “tem de ser a melhor de todas”. Já um velho Bordeaux requer algo mais efervescente.
Além dos conselhos, a missão de Riese é dar à água o sentido de produto: o preço, o design da garrafa e, acima de tudo, toda a história que torna isso possível.
“Todas as histórias contadas por Riese durante a degustação estão dentro das possibilidades reais e lógicas, de alguma maneira. Mas outro homem entra na sala. Foi ele quem convidou Riese para vir e apresentar sua água nesse evento em Hamburgo. Quando ele começa a falar o tom muda”, explica a reportagem.
“Seu nome é Markus Stegmaier e ele é CEO de uma companhia chamada ‘Q-Aqua’. Ele afirma que a água tem ‘memória’ e que a dele é carregada com vibrações bioenergéticas”.
Essa característica é obtida a partir da reunião de cristais curativos, pedras preciosas e ervas medicinais e é capturada de alguma maneira – que ele não revela.
As frequências absorvidas são transferidas à água, que se livra da negatividade e tem aumentada sua positividade.
Elementos como lavanda, mirra, jade, quartzo e outras essências têm influências apaziguadoras. Enquanto musgo, ginseng, malaquita e outras criam uma água fortificante.
“Essas vibrações passam através da garrafa, através do vidro”, diz Markus.
Algumas pessoas da plateia começam a resmungar quando ouvem isso. “É mais ou menos como acontece com um celular – a radiação passa através das paredes”.
Que saudades do Renato Machado.

2011/08/10

UM HOMEM DE VISÃO

Arquivado em: Absurdos nossos de cada dia — trezende @ 08:44

Existem vários perfis de picareta. Desde os que “amarram o amor” até os que realizam previsões através da leitura das mãos, dos búzios, das cartas, das runas, da bola de cristal ou da borra do café.
Difícil dizer em que categoria Jucelino Nóbrega da Luz se encaixa – ou até se ele se enquadra na dos picaretas.
Ele diz ter o dom da premonição. O que o diferencia dos demais é que, segundo ele, suas previsões se confirmam – do jeito e na data aproximada por ele. A prova são os registros e autenticações em cartórios – cartórios obscuros existem aos montes, mas vamos lá:
Jucelino é autor de “Sonhos Sem Fim”, no qual fala de suas previsões envolvendo as mortes de Michael Jackson, John Lennon, Ayrton Senna e Elvis Presley.
Como diz o prefácio do livro, Jucelino é “ambientalista, pacifista, escritor e premonitor nascido em Floriano, Paraná”. Atualmente está “radicado em Águas de Lindóia”.
Nesta semana conversei com Jucelino. Ele me contou que seus sonhos premonitórios começaram aos 9 anos de idade. Em 1969, o pequeno Jucelino sonhou com um acidente na via Anchieta que vitimaria uma família inteira. O fato se concretizaria quatro anos depois.
Por causa do dom, chegou a ser hostilizado na escola após prever que um de seus colegas teria um ataque cardíaco em seus braços.
A partir dos 13 anos ele passou a registrar em cartório o conteúdo de suas premonições e posteriormente a enviar cartas de alerta para as pessoas com as quais sonhava – foi assim também com Amy Winehouse.
Jucelino conta que seu índice de acertos varia entre 60% e 70% e seu único objetivo é avisar aos remetentes sobre o que a vida lhes reserva.
No livro, além do conteúdo das cartas – em inglês – e da documentação do cartório, ele reproduz os canhotos dos Correios. Através deles é possível comprovar o envio de correspondências para Michael Jackson entre 1998 e 1999.
Mas a história mais bizarra envolve Elvis Presley. Jucelino relatou que, aos 13 anos, após mandar uma carta para Elvis, o telefone de sua casa tocou. Do outro lado da linha, o rei do rock.
E aí, o que ele disse? “Agradeceu a preocupação e a correspondência, mas falou que jamais mudaria o comportamento”.
Quis saber ainda de Jucelino se ele teve sonhos com personalidades brasileiras. “Sim, com o Neymar. Já mandei uma carta pra ele. Ele vai ter um problema que vai começar na parte renal e vai agravar para a parte cardiorrespiratória. Se ele não se cuidar, em 2013, quando estiver jogando no exterior, pode falecer. E olha que eu avisei aquele lá do São Caetano…”.
Indaguei Jucelino sobre se ele tinha apenas premonições ruins. “Não… vem por aí a cura do câncer – menos o cerebral, claro –, a cura da diabetes e a vacina da dengue vem até 2015”.
Interessei-me especialmente sobre a chegada do alívio para os portadores de câncer. Segundo Jucelino, a cura virá de um estudo feito em parceria entre um laboratório alemão e um brasileiro.
Então, Jucelino, me cante aí as dezenas da Megasena acumulada.

2011/08/09

À PASSARINHO

Arquivado em: Mentes brilhantes — trezende @ 10:23

Se a desculpa para não cozinhar é não ter os ingredientes na geladeira, é melhor mudar seu álibi. Ou fingir que não viu “Tweet Pie: The World’s Shortest Recipe Book”, uma coletânea de 50 receitas – todas elas explicadas em até 140 caracteres.
Mas o livro não ensina a por o feijão para cozinhar, fritar ovo, fazer vitamina de frutas ou bolo de cenoura. Há receitas elaboradas, como a de um salmão com gengibre. Ingredientes: salmão, gengibre, alho, pimenta-chilli, limão, molho de soja, óleo de gergelim e tomates. Colocar na chapa por 15 minutos e servir com arroz e iogurte.
Ou a de um macarrão com aspargos: misturar ao macarrão cozido cogumelos refogados, aspargos, alho, um pouco de molho de pimenta-chilli e servir com pão de alho.
A ideia é da fabricante de fogões “Belling”, que se inspirou numa pesquisa que elegeu Delia Smith como a mais verborrágica culinarista britânica – graças às suas receitas infindáveis. Num prato à base de rosbife preparado por Delia foram contadas 872 palavras.
Em segundo lugar, o bife de 787 palavras de Nigella Lawson. O terceiro, Jamie Oliver, com 773.
Todas as receitas – de entradas, pratos principais, sobremesas, drinques e salgadinhos – foram escolhidas através dos usuários do Twitter e também de chefs que usam o microblog para postarem receitas, como Brian Turner, Edd Kimber e Craig Dugas – este último, o criador do conceito de “twecipe” e um dos organizadores do livro, lançado em março.
Mais de 200 foram postadas e 50 delas selecionadas.
Para os não-usuários do Twitter, no fim do livro há um glossário com algumas das abreviações utilizadas.
A renda será revertida para a “FoodCycle”, organização de combate à fome.
O que a inesquecível Ofélia Anunciato acharia disso?

2011/08/08

GO NUTS

Arquivado em: A real do mundo real — trezende @ 10:33

Os americanos descobriram a nossa água de coco – e a estão tratando como milagrosa.
Segundo a revista “People”, Madonna, Demi Moore, Matthew McConaughey e Anthony Kiedis, do Red Hot Chilli Peppers, são alguns dos investidores famosos da “Vita Coco”, que é americana, mas tem um pezinho no Brasil – a empresa tem parceria com a Ducoco, do Ceará.
Ainda de acordo com a revista, Madonna começou a tomar água de coco há dois anos, durante a turnê “Sticky & Sweet”, mas não cita o Brasil.
A bebida das estrelas encontrou mercado fértil nos Estados Unidos. É saúde pura, creem eles, rica em sódio, potássio, magnésio, cálcio e fosfato. “Em outras palavras, é banana num copo d´água”, diz uma das reportagens que exalta as propriedades da bebida.
A água de coco tem sido comparada até ao sangue humano.
Uma das marcas vendidas nos Estados Unidos, a “Young Coconut”, diz que a bebida é idêntica ao plasma sanguíneo. Além de chamá-la de “doadora universal”, diz que bebê-la é como ter uma “transfusão de sangue instantânea”.
Várias marcas tocam num ponto polêmico: que a água de coco já foi usada como soro fisiológico. Ela era injetada na veia de soldados em cirurgias de emergência durante a Segunda Guerra Mundial e a do Vietnã.
Mas de acordo com Tod Cooperman, presidente da “ConsumerLab” – empresa independente que testa diversos produtos da área nutricional – a água de coco pode funcionar em situações de extrema emergência, mas que a ideia não deve ser incentivada.
“Em contato com o plasma, ela se comporta como uma solução salina, mas ainda assim tem menos eletrólitos do que o nosso corpo precisa e mais potássio. Então não é um fluido de reidratação ideal, mas funciona na hora do aperto”, diz ele.
A água de coco realmente é um tesouro – e tem preço para tanto. Quem não mora na praia e não pode se dar ao luxo de tomar uma água de coco fresca, é obrigado a deixar as calças no supermercado, afinal, um litro desse néctar não sai por menos de R$ 10.
Virou coisa para gringo mesmo.

2011/08/07

UMA BOCA, DOIS OUVIDOS E UMA SENTENÇA

Arquivado em: Absurdos nossos de cada dia — trezende @ 09:46

Luana Piovani tem garantido nossa dose diária de diversão pelo Twitter. Amparada por vários erros de português, a atriz, sabidamente mal-humorada e antipática, tem comprado briga com todo tipo de gente – desde anônimos que mandam recados malcriados e agora até com o novelista Aguinaldo Silva.
Nessa semana, após ter recebido uma crítica de Aguinaldo, respondeu: “aguinaldinho vc pega sua dica,dobra em 18 pedacinhos e enfia no bolso!nunca precisei tampouco precisarei d dicas SUAS!escrev 1 livro d dica”.
Enquanto a Luana real nos alegra com suas patadas online, infelizmente a Luana do governo teve sua conta cancelada pela presidenta Dilma após uma série de declarações no mínimo antiéticas.
Assim como Luana, Nelson Jobim fala (ou falava) sem medo da geladeira. Parece não se dar conta de que seu papel na novela governamental está nas mãos de uma gaúcha que não frita e nem manda ninguém para a geladeira. Simplesmente despacha para o incinerador. Dilma não tem perfil de novelista. Está mais para uma personagem de outro programa: tolerância zero.
Se bem que em se tratando de Nelson Jobim a tolerância já estava fazendo hora extra.
Jobim é também o Theo Becker do governo. Nunca agiu com a cordialidade dos diplomatas. Seu comportamento “cavalar” foi tema de um post aqui no blog em 2009, na época do acidente envolvendo o avião da Air France.
Numa coletiva de imprensa sobre as possíveis causas da tragédia, munido de uma varinha de condão com a qual apontava as imagens geradas pelo Powerpoint, Jobim falou e respondeu às questões dos repórteres por quase 40 minutos.
Visivelmente impaciente com os que o assessoravam, demonstrou toda a sua educação ao usar frases como  “Mede aí a distância”; “Cê não sabe? Faz o cálculo”; “Volta lá, meu filho, quem mandou apagar? Você obedeça a mim, tá?”.
Nos dias seguintes à coletiva, Jobim se recolheu, alegando uma crise alérgica.
Quase dois anos se passaram e agora, num espaço de praticamente um mês, liberou totalmente seu lado Piovani-Becker. Chamou Ideli Salvatti de “bem fraquinha” e os petistas de idiotas, disse que Gleisi Hoffmann não conhece Brasília e até revelou que votou em José Serra nas últimas eleições presidenciais. Para quê? A resposta é um verdadeiro mistério.
Tem gente jurando que Jobim agiu de caso pensado. Disse o que disse para sair do governo. Mas, como vimos, Jobim tem um histórico de declarações que não se distingue pela delicadeza. O plano de defesa dele sempre foi o ataque no estilo #prontofalei.
Adoraríamos continuar assistindo a esse circo pegar fogo. Em vez de demití-lo, Dilma poderia tê-lo colocado como ombudsman. Se temos até o Ministério da Pesca, por que não uma pasta para um ombudsman sem papas na língua?
Mas na atual fase DDDrin, Dilma incluiu Jobim no rolo. Aliás, pensando bem, foi melhor assim. Um Ministro da Defesa que não é capaz nem se defender, como vai  pensar em estratégias de defesa para o país?

2011/08/06

O PREFERIDO DE OBAMA

Arquivado em: Cri-crítica — trezende @ 10:36

Hollywood não poderia ter escolhido época mais adequada para o lançamento de um filme cujo herói só pensa naquilo: salvar a América. Proposital ou não, a piada está pronta.
“Capitão América – O Primeiro Vingador” é um show de patriotismo.
No início da década de 40, Steve Rogers (Chris Evans) é um garoto pobre e fracote que alista-se inúmeras vezes no Exército, mas por causa de seus atributos físicos mirrados é recusado em todas elas. Com a ajudinha de um anjo que sempre aparece para ajudar os fracos e oprimidos, ele consegue realizar seu sonho. E mais: Steve vira o pupilo da equipe.
Graças à sua garra e determinação ele é escolhido para ser a cobaia de um projeto secreto chamado “Rebirth” (“Renascimento”). Depois que um soro especial é injetado em seu corpo, o Garoto Juca dá uma encorpada e se transforma num supersoldado alto, loiro e sarado. Enfim, o Chris Evans que já conhecemos de outros carnavais. Nesse ponto, a platéia feminina se manifesta por meio de gritinhos e suspiros.
O mais impressionante nessa transformação – além obviamente do invejável físico do ator – é que não há mudança do intérprete. O Garoto Juca de antes é o mesmo Chris Evans de depois.
Utilizando uma técnica digital parecida com a que foi usada para rejuvenescer os atores de “O Curioso Caso de Benjamin Button”, os produtores conseguiram encolher e enfraquecer Chris Evans.
Inicialmente ele vira um garoto-propaganda e começa a percorrer os Estados Unidos para ajudar a vender bônus de guerra junto com uma trupe de garotas, mas depois vai dar o sangue pela América usando nada além de um escudo que também faz as vezes de bumerangue.
Para quem não é muito fã de filmes de ação com explosões e barulheira, uma dose de paciência é necessária, já que o herói luta em plena Segunda Guerra Mundial.
Mas “Capitão América – O Primeiro Vingador” é, de longe, o mais ingênuo de todos os super-heróis que ganharam adaptação para o cinema – e também o com os diálogos mais engraçados.
O elenco não fica atrás: Tommy Lee Jones, Stanley Tucci (que surpreendentemente não faz papel de gay), a novata Hayley Atwell (de “A Duquesa”) e uma participação final de Samuel L. Jackson – já chamando para “Os Vingadores”, que no ano que vem vai reunir no mesmo filme alguns heróis da Marvel, como Homem de Ferro, Thor e Hulk.

2011/08/05

FAUNA UMBILICAL

Arquivado em: A real do mundo real — trezende @ 07:47

Seu umbigo pode ser bonitinho, “saltado”, ser motivo de vergonha ou de orgulho, mas uma coisa é certa: serve de abrigo para uma biodiversidade complexa.
Uma nova pesquisa revelou que cada ser humano tem, pelo menos, entre 60 e 100 espécies de bactérias, fungos e “leveduras”.
Os resultados serão apresentados dia 12 de agosto durante o 96º Encontro Anual da Sociedade Ecológica Americana, em Austin, no Texas.
“Apesar de termos encontrado entre 60 e 70 espécies em cada pessoa, descobrimos 1.400 microorganismos no total”, diz Rob Dunn, professor-assistente do Departamento de Biologia da Universidade da Carolina do Norte.
“Cada pessoa tem uma selva microbial tão rica, colorida e dinâmica que o mais provável é que o corpo tenha espécies que os cientistas nunca estudaram”, diz o site do projeto “A Biodiversidade do Umbigo”.
O professor e seus colegas recolheram fragmentos de células mortas nos umbigos de 391 voluntários – homens e mulheres de diferentes idades, etnias, backgrounds e hábitos higiênicos, e apesar de terem se concentrado em bactérias, eles descobriram também fungos e leveduras “interessantes”.
Agora os cientistas estão no processo de sequenciamento do DNA de cada uma das espécies.
Resultados preliminares indicam que o número de microorganismos varia muito de uma pessoa para outra. Além disso, cada indivíduo carrega seu “mix” pessoal e único.
“Ainda não temos explicações porque as comunidades de bactérias são tão diferentes de uma pessoa para outra. Essas diferenças não têm relação com o gênero, a etnia, a idade ou os hábitos de higiene. Há algo além disso”, diz o professor.
Os pesquisadores concluíram ainda que apenas um pequeno grupo de bactérias é comum. O restante é raro e variável entre indivíduos.
Os pesquisadores escolheram analisar umbigos, em parte, porque eles tendem a abrigar organismos que não sofrem influência de loções, raios ultravioleta e outros elementos.
Segundo Dunn, depois do resultado, muita gente vai limpar o umbigo com mais freqüência, mas os organismos também são encontrados no antebraço, nas mãos e em toda a superfície do corpo – especialmente nas vísceras – e têm função importante.
Eles agem como a primeira linha de defesa do corpo, nos protegendo de agentes que causam doenças. “Um ser humano que consiga remover todos os micróbios do corpo corre um risco incrível de infecções”, explica o professor.
Um outro estudo, que analisou a comunidade de micróbios em humanos e nos animais, concluiu que a bactéria influencia também o comportamento dos “hospedeiros”. O estudo é de Elizabeth Archie, da Universidade de Notre Dame.
Esteróides e outros químicos naturais encontrados nas axilas são um exemplo. Esses compostos são, principalmente, resultantes do metabolismo das bactérias e podem causar todo tipo de odor estranho que afeta o modo como interagimos com as pessoas.
“Por exemplo, algumas bactérias ‘Corynebacterium’ metabolizam testosterona e produzem um cheiro meio almiscarado, meio de urina. Outras metabolizam sebo e suor e produzem um cheiro que lembra o da cebola. “Há evidências claras de que as bactérias produzem um odor auxiliar. O das axilas serve como pista de reconhecimento entre humanos”, diz a cientista.
Sem dúvida.

2011/08/04

O VALOR DA AMIZADE

Arquivado em: Mentes brilhantes — trezende @ 10:26

Nem toda mulher é vaca. Mas toda vaca é mulher.
É o que se pode afirmar após a publicação de um estudo inglês que comprovou que as vacas também têm suas melhores amigas. Toda vez que são separadas das colegas ficam estressadas e produzem menos leite.
Uma vez longe das amigas, com quem resmungar sobre a qualidade do pasto, reclamar do efeito-sanfona diário, comentar que o peito está dolorido, cheio de leite, ou fofocar sobre aquela vaca?
A descoberta é da cientista Krista McLennan, de 27 anos, que chegou à conclusão enquanto trabalhava em sua tese de pós-doutorado na Universidade de Northampton. Ela acredita que sua descoberta pode ajudar a melhorar a produção de leite.
Através da monitoração da frequência cardíaca e dos níveis de cortisol das voluntárias, Krista pode fazer suas análises.
O comportamento das vacas foi medido de três formas, em intervalos de 15 segundos: 1) com a vaca sozinha, 2) com a melhor amiga, 3) com outra vaca – que ela havia conhecido meia hora antes.
Os resultados mostraram que a vaca é um animal social e que geralmente forma vínculos próximos com as amigas do rebanho. “Quando a bezerra tinha a melhor amiga ao seu lado, seus níveis de estresse eram bem menores se comparados quando estavam na presença de uma vaca qualquer”, explica Krista.
“Se pudermos encorajar os fazendeiros a ficarem de olho nisso, podemos ter benefícios reais, como o aumento da produção leiteira e a redução do estresse dos animais, que é importante para o bem-estar deles”.
Trevor Foss, presidente da União Nacional dos Fazendeiros, em Northamptonshire, diz que a descoberta pode ter boa aceitação para quem trabalha com laticínios. “Já ouvi que se você liga o rádio para as vacas, elas ficam mais felizes. Então deve ter alguma coisa aí. Acho que as vacas devem ser meio como os humanos”.

2011/08/03

POR UM FIO

Arquivado em: Absurdos nossos de cada dia — trezende @ 09:34

Que os Estados Unidos passam por um momento crítico todo mundo já percebeu. Também é de conhecimento público que os americanos se acham os reis da cocada.
No entanto, em vez de demonstrarem humildade nessa má fase da carreira, eles resolveram avaliar o desempenho de Deus.
Uma pesquisa conduzida pelo grupo democrático “Public Policy Polling”, da Carolina do Norte, perguntou: “Se Deus existe, você aprova ou desaprova a performance Dele?”.
Resultado: 52% dos que acreditam Nele avaliam positivamente Seu trabalho.
O toque de surrealismo não para por aí. Ainda de acordo com a pesquisa, 71% dos votantes aprovam o trabalho de confecção do universo. Já quanto ao desempenho no quesito reino animal, a porcentagem foi bem menor: 56% deram votos favoráveis.
As respostas demonstraram resultados diferentes de acordo com a idade dos entrevistados. Os mais novos são mais críticos em relação a como Deus administra os desastres naturais. Entre 18 e 29 anos o índice de desaprovação é de 26%. Entre os que têm mais de 65 anos é de apenas de 12%.
Se serve de consolo para Deus, Ele foi melhor avaliado do que Rupert Murdoch (12%) e o republicano John Boehner, presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos (33%).
O instituto, que é democrata, não colocou Obama entre as opções da pesquisa. Mas um levantamento recente feito pelo “Real Clear Politics” mostrou que o presidente americano obteve nota mais baixa do que Deus. Apenas 46% avaliam sua performance como positiva.
A pergunta é: se Deus existe mesmo vai castigar os americanos ou vai passar no RH e preencher uma autoavaliação de desempenho?

2011/08/02

AIRIGAMI

Arquivado em: Mentes brilhantes — trezende @ 10:09

Enquanto humildemente tentamos fazer do nosso limão uma limonada, tem gente por aí fazendo do balão uma balonada.
O trabalho acima faz parte da série “Master Works” e consiste numa coleção com oito recriações de obras de arte consagradas de artistas como Da Vinci, Paul Cézanne, Sandro Botticelli, Andy Warhol e Jackson Pollock.
Apelidadas de “airigami”, as esculturas são criações de Larry Moss, um ex-mágico de rua de Nova York.
“Queria encontrar um caminho completamente diferente e fazer algo incrível, leve e ao mesmo tempo divertido”, diz ele. “Você pode criar arte a partir de qualquer coisa, mas há certos materiais que as pessoas já esperam que sejam usados para isso, como lápis, pincéis ou argila. Ao utilizar balões, que são vistos como brinquedos, todas as noções pré-concebidas de arte caem por terra. Posso fazer o que quiser que as pessoas olharão de forma diferente”.
Quem vê Larry dobrando balões não imagina, mas ele é muito mais do que um reles artista de rua. Formado em Matemática, Ciências da Computação e Educação, já publicou uma série de livros sobre a arte com balões.
Em 2003, ele entrou para o “Livro dos Recordes” com o “Fantástico Polvo Voador”, considerada a maior escultura de balões do mundo e a primeira “escultura-pilotada”. James contou com a ajuda de diversos artistas e usou mais de 20 mil balões.
Graças a eles, Larry já conheceu meio mundo e encheu o bolso de dinheiro. Vendeu livros, fez exposições em 12 países dos quatro continentes e seus trabalhos já estão valendo alguns milhares de dólares.
Talvez seja a hora de pensarmos em fazer algo diferente com nossos limões.

Confiram outros trabalhos de Larry AQUI

2011/08/01

DOIDOS E SANTAS

Arquivado em: Matutando — trezende @ 08:32

A semana que passou teve momentos inesquecíveis para nós, brasileiros. Sandy fez confidências que deixou a mamãe corada e Ronaldo levou a barriga para tomar sol.
Vinte anos depois de dizer que foi cortar lenha, Maria Chiquinha mudou a versão da história e revelou o que teria ido fazer no mato.
Ninguém sabe afirmar se Sandy está de castigo, assim como não se pode dizer que a cantora seja uma pessoa de palavra ou corajosa. Depois de falar demais para a “Playboy”, Sandy voltou atrás. Diz que não disse. Talvez seja preciso mais uns 20 anos para conhecermos a história verdadeira.
Corajoso mesmo foi Ronaldo. O jogador poderia ter ido à praia discretamente. Mas não. Além de improvisar um balonê no bermudão amarelo-ovo, ele espreguiçou-se sem medo de ser feliz, mostrando a pança para o mundo, bem esticada, redonda, sem dar a mínima para os Vigilantes do Peso e afins. De quebra, caiu de boca no que parecia ser um franguinho frito.
Imaginem o prazer que ele sente nesse momento. Poder ir à praia fazer uma farofa sem ter de encolher a barriga, fingir que só toma isotônico, ouvir que está gordo, que precisa entrar na dieta ou subir numa balança num programa ao vivo para depois aguentar piadinhas no estilo “gorducho, baleia, saco de areia”.
Quando Ronaldo declarava que estava de dieta ninguém acreditava. A pança exibida em Ibiza é a prova de que seu esforço para perder peso estava sendo realmente sobre-humano.
Passados menos de nove meses após a aposentadoria, ele cultivou uma barriga capaz de fazer inveja a muita grávida. Barriga dura, redonda, sem estrias.
É provável que a atitude corajosa de Ronaldo sirva de modelo para algumas outras personalidades brasileiras.
Depois que estacionar sua Williams na garagem, Rubinho Barrichello vai poder pegar seu Chevetão e andar onde sempre quis: na pista da esquerda, incomodando meio mundo.
Já Wanderley Luxemburgo, quando repousar as chuteiras e o terno no armário, vai colocar seu moletom folgado e seu Rider e tocar terror nas manicures.
Sandy, quando parar de ser Sandy, pode até virar a capa da “Playboy”.

« Página anterior

O tema Rubric Blog no WordPress.com.