O Mundo Gira, A Lusitana Roda…

2011/03/10

A GALA DAS RUAS

Filed under: Diário de bordo — trezende @ 09:52

Participar do Carnaval de rua carioca é uma experiência antropológica que serve para sanar dúvidas e reforçar certezas:
1) quem não gosta de muvuca deve ficar em casa
2) o xixi é o aroma oficial da folia
3) a velha piada do homem vestido de mulher ainda tem graça. É divertido e patético observar moçoilos – principalmente os sarados – trajando saia balonê e bustiê apertadinho
4) de que forma agirá o governo durante os megaeventos Copa do Mundo e Olimpíadas?

O Rio de Janeiro transformou-se num caos. Eram 465 os blocos cadastrados e autorizados a desfilarem, o que deixou a cidade com cara de São Paulo em alguns horários.
O incômodo, no entanto, foi relevado graças a duas características da festa: a criatividade no nome dos blocos e a originalidade das fantasias.
Os tradicionais “Concentra Mas Não Sai”, “Cordão da Bola Preta”, “Simpatia É Quase Amor” ou “Cordão do Boitatá” ganharam concorrentes que pelo menos no quesito nome prometem. Alguns blocos tinham relação com o bairro em que se saíam, outros apostaram no trocadilho: “Vai Tomar no Grajaú”, “Já Comi Pior Pagando”, “Eu Choro Curto Mas Rio Comprido”, “É Pequeno Mas Vai Crescer”, “Geriatria e Pediatria”, “Virilha da Minhoca”, “O Pluto É Filho da Pluta”, “Largo do Machado Mas Não Largo do Copo” e “Se Não Quiser Me Dá Me Empresta”.
As personagens que apareceram para se juntar a agremiações com títulos tão inusitados ficaram à altura.
Os foliões mais práticos optaram por fantasias que remetiam ao noticiário. Foi possível cruzar com mineiros chilenos e outras tantas “Cisnes Negros”, mas os que mereceram flashes foram os que botaram a cuca para funcionar e elaboraram vestimentas originais.
Umas das mais divertidas inspirou-se na personagem da propaganda da “Skol” que dança Beto Barbosa de sunga, pochete, paletó e óculos escuros. Sempre que uma dessas aberrações surgia no meio da multidão era inevitável ouvir e cantar o refrão “Adocica, meu amor, adocica…”.
Houve também inúmeros “Freddies Mercury Prateados”, um “Bruno Surfistinha” e um “Aedes Egípcio”.
E que tal um Plaqueiro – aqueles no estilo “Compro Ouro” – oferecendo artigos como “selinho”, “beijo refrescante”, “passada de mão”, “prazer carnal” ou “abraço aconchegante”?
Mas o troféu de mais original dentre os originais vai para um cidadão que vestiu uma caixa de papelão e escreveu com canetão em cada lateral: “Minha Casa, Minha Vida”. Nota dez.
Esse fez Clóvis Bornay se revirar no caixão de tanta inveja.
De minha parte, pretendo fundar o “Levando no Talho”, bloco que vai reunir as vítimas do mau atendimento do “Talho Capixaba”, no Leblon. Já estou aceitando inscrições.

Confiram fotos AQUI

About these ads

2 Comentários »

  1. “Cidade Maravilhosa”. O título já diz tudo.

    Comentário por Juventino — 2011/03/10 @ 23:38

  2. Este post merecia integrar o trabalho do cara que elencou os países/povos mais legais, e que nos atribuiu o 1o. posto; não é que o gringo tem razão?
    Bjão,
    Adh

    Comentário por Adh2bs — 2011/03/15 @ 17:19


Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O tema Rubric. Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: